03 maio 2015

Se afogar nos próprios sentimentos

E de repente a dor se instala e a vontade de fugir e começar do zero predomina. Quantas vezes é preciso passar pelo sofrimento, para aprender a aceitar que existem pessoas que entram na nossa vida, não para permanecer e sim para acrescentar, nos fazer evoluir e depois partirem. Como convencer o coração de que certas coisas tem que ir embora? Como ensinar a alma a se refazer de novo?   
Será que é melhor agir feito uma covarde e deixar tudo pra trás, sufocar todos os meus sentimentos de novo e trancafiar a minha alma, ou tentar mais uma vez, levantar a cabeça e seguir em frente? 
Era tão mais fácil não sentir nada, com o meu vazio eu sabia lidar, já com esse turbilhão de sentimentos eu não sei. Chega a ser irônico, passar anos construindo e aperfeiçoando armaduras e barreiras para ninguém chegar perto e ai vem ele, com um simples sorriso e derruba tudo. 
Parar pra pensar sobre o fim de todos os ciclos da vida, é doloroso. Porque a gente sente falta do beijo de surpresa, do abraço apertado, do cheiro, das risadas, das brincadeiras, do sexo.. Sentimos falta do toque, da pele, dos olhares, da voz e cada momento bom insiste em passar como um filme, toda a vez que colocamos a cabeça no travesseiro. Não quero mais colocar as minhas expectativas em ninguém, nem em mim mesma. Só quero que a dor evapore, porque eu já passei por isso antes e eu sei o quanto isso destrói e corrói se a gente deixa infestar. Fugir ou não fugir, não vai me deixar mais forte e eu nem chamo isso de fuga, é só que continuar aqui se tornou insuportável. O dia em que eu virar as costas pra essa cidade, eu vou deixar tudo pra trás, daqui eu não quero levar nada, nem quem eu sou. A única coisa daqui que irá me acompanhar pra sempre, são as cicatrizes. 
E quem diria, eu que queria tanto transbordar, nos meus sentimentos eu acabei me afogando.

Bárbara Martins.